quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

Ordem unida

Esta aconteceu em Belo Horizonte, nos duros tempos da ditadura. Não cito nomes por questões óbvias, mas garanto que a história é verdadeira.

Seis jóqueis combinaram “amolecer” um dos páreos, deixando de fora só o piloto que montava o azarão. Como já acontecera outras vezes, em tantos outros prados, o arranjo fez água e o matungo cruzou o disco na frente.

O pior, porém, ainda estava por vir. Na manhã seguinte, toda a vila hípica comentava o “desastre”, até que a história chegou aos ouvidos do presidente da Comissão de Corridas, justamente um coronel linha dura do exército. O homem não teve dúvida, convocou todo mundo para uma reunião em sua sala do quartel.

Eis o relato de um dos participantes: “Ficamos todos juntos, perfilados, como em ordem unida, enquanto o coronel desfiava um discurso sobre ética, caráter, responsabilidade. Por fim, o homem afirmou que a pena de suspensão seria trocada por um corretivo militar. Fomos, então, ncaminhados para um cubículo e ali confinados por 24 horas, a pão e água. Cara, nunca pensei que um dia iria lamentar não ter sido punido de acordo com o Código de Corridas”.


2 comentários:

carlos disse...

Porque você acha que o prado daqui fechou? Só não sabia que a roubalheira era tão antiga assim, começei a frenquêntar o Serra Verde em meados dos anos 80, te falo que nesses 20 anos necessitava muito da mão desse Coronel!

Márcio disse...

Silvio, sou jornalista, já fui cronista de turfe, hoje atuo em outras áreas, inclusive pelo desaparecimento do Hipódromo Serra Verde. Já fui dirigente do clube e estou colecionando dados sobre o Serra Verde para futura publicacao. Gostaria que você me indicasse a fonte desta caso. Um abraço.